Nelson Tembra Blog

Cidadania, Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente

Uma selva nos debates

Antonio Carlos Porto Araujo*

Nessa aparente guerra entre o cipó e a serra, alguns elementos do Novo Código Florestal apodrecem no cadafalso do discurso inflamado e obtuso de ambos os lados.

O País necessita de uma política ambiental amigável. Necessita, da mesma forma de política social justa, com possibilidade de ascensão social e resgate da miséria às condições humanas de emprego, geração de renda, acesso ao ensino e ao consumo. Nesse diapasão, somente uma equação econômica factível poderá garantir a exequividade dessas diretrizes e ambições.

O que não se pode, porém, é traduzir necessidades e possibilidades em discursos quase que “homofóbicos” tanto para os ruralistas, quanto aos ambientalistas.

O Novo Código Florestal deveria servir para definição de política agrícola – zoneamentos etc.; sociais – manutenção do trabalhador rural no seu meio; ambientais – preservação e recuperação de áreas degradadas. Ocorre que o atendimento às justas reivindicações carecem de um elemento essencial – o mecanismo financeiro para sustentar essas aspirações.

Assistimos uma guerra em que há uma ameaça imediata ao equilíbrio econômico-financeiro na produção agrícola e da agroenergia no País.

Lembremos que o Brasil sofreu menos com a crise internacional graças à sua participação como exportador de commodities, inclusive agrícolas. O mundo irá, dentro em breve, absorver 60% da nossa produção agrícola, com potencial econômico de ajudar no desenvolvimento sustentável do País.

Ou seja, não se pode olvidar que temos, todos, obrigação de manutenção da nossa biodiversidade, mas jamais deveríamos permitir ao agronegócio responsável, ameaças ao seu sistema de produção anteriormente até incentivado por políticas governamentais.

O País e o mundo exigem florestas intocáveis, mas não se pode sobrecarregar o ônus aos que não são criminosos. Parece uma solução do cinema: “prendam os suspeitos de sempre…”.

É hora de coragem e de direito de se manifestar. Todos estão dispostos a pagar a conta? Ou vamos exigir cumprimento de outros, aos seus custos, sem nos empenharmos na equalização do mecanismo financeiro?

* Antonio Carlos Porto Araujo é consultor de energia renovável e sustentabilidade da Trevisan Escola de Negócios.

E-mail: antonio.araujo@trevisan.edu.br.

Novo Código Florestal

Novo Código Florestal

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on 05/05/2011 by in Blog do Nelson Tembra and tagged .

Navegação

SERVIÇOS AMBIENTAIS

Velocimetro RJNET

Estatísticas do Blog

  • 65,208 hits

Follow me on Twitter

%d bloggers like this: