Nelson Tembra Blog

Cidadania, Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente

Plebiscito rejeita divisão do Pará, após 80% dos votos apurados

Vitória Régia, in Paraense Emílio Goeldi Museu...

Image via Wikipedia

O plebiscito foi convocado para que os eleitores do estado com 7,6 milhões de habitantes definissem se gostariam de manter a integridade administrativa do estado ou fazer a divisão em três: Pará, Carajás e Tapajós.

De acordo com informações do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) às duas horas do fechamento das urnas eletrônicas, com 80% dos votos apurados e já sem a possibilidade matemática de um resultado diferente, os defensores da manutenção de um único estado venceram com grande diferença.

De acordo com a autoridade eleitoral, 67,93% dos 4,8 milhões de eleitores rejeitaram a criação do estado de Carajás, contra 32,07% que apoiaram o nascimento do novo estado.

Já com relação ao estado de Tapajós, 67,36% dos eleitores fizeram oposição a sua criação, e apenas 32,64% apoiaram a divisão. Os votos em branco representaram 0,5% do total e os nulos 0,94%. O tribunal informou que a abstenção chegou a 25,45%.

Apesar do enorme território que é administrado da capital, Belém, uma cidade com porto no oceano Atlântico e acesso ao rio Amazonas, o Pará é um dos estados de menor densidade demográfica do país, em grande parte por ser ocupado pela floresta amazônica.

Este estado do norte, com 143 municípios, conta com apenas 6 habitantes por quilômetro quadrado e uma extensa história de conflitos rurais, com causa na luta pela terra entre grandes fazendeiros e camponeses sem-terra, e conflitos ambientais, com a atuação de madeireiros ilegais em várias frentes.

O plebiscito sobre a divisão do Pará, autorizado pelo Congresso em maio, é uma reivindicação dos habitantes das regiões mais ao sul e mais ao oeste do estado, que se sentem discriminados pela distante Belém.

Os defensores da divisão reivindicavam um Governo regional exclusivo para Carajás, uma região rica em minerais e onde a gigantesca empresa Vale explora as maiores reservas de ferro do mundo, e outro para Tapajós, uma região com extensas reservas ambientais e indígenas, e na qual está sendo construída Belo Monte, a terceira maior hidrelétrica do mundo.

Carajás nasceria com cerca de 300 mil quilômetros quadrados (24% do total do Pará) e 1,6 milhões de habitantes (20,7%) e Tapajós com 732,5 mil quilômetros quadrados (59%) e 1,2 milhões de habitantes (15,3%).

Já o estado do Pará ficaria reduzido a 218 mil quilômetros quadrados (17%) após a divisão, mas manteria a maior parte da população (4,8 milhões de habitantes ou 64% do total).

Os políticos de Belém alegavam que a criação de duas novas administrações regionais geraria grandes custos fiscais e o aumento da burocracia.

A possível divisão não estaria garantida pelo plebiscito, caso o sim tivesse vencido, porque a fragmentação ainda teria que ser referendada pela Câmara dos Deputados e pelo Senado e poderia ainda ser vetada pela presidente. EFE

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on 11/12/2011 by in Blog do Nelson Tembra.

Navegação

SERVIÇOS AMBIENTAIS

Velocimetro RJNET

Estatísticas do Blog

  • 65,208 hits

Follow me on Twitter

%d bloggers like this: